Queijo Imperial da Serra do Salitre com Chutney Picante

O Alto-Paranaíba se destaca em Minas pela grande produção de gado, mas são os queijos artesanais sem dúvida as maiores estrelas da região.

O conjunto de fatores climáticos (altitude, umidade do ar e temperatura), aliado às pastagens, trato do rebanho e genética, permitem o desenvolvimento de bactérias e processos enzimáticos que conferem sabores diferenciados e de alta qualidade, certificando os queijos como os da Canastra, os de Araxá, Vale do Paranaíba em Cruzeiro da Fortaleza e o Serra do Salitre como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil.

A região da Serra do Salitre, por exemplo, tem altitude muito elevada e registra alta concentração de nitrato de potássio (salitre), um mineral que é absorvido pela vegetação-alimento do gado produtor de leite, influenciando um queijo ligeiramente ácido, com pouca picância e tendência a consistência macia manteigosa, levemente salgado, mas que vai deixando o queijo mais crocante e areoso com o passar dos meses de cura. Outra característica muito peculiar desse queijo é a resina comestível laranjada ou preta que cobre a peça inteira, feita de caseína do próprio leite, que serve para proteger e desacelerar o processo natural de cura ao longo do tempo.

E para harmonizar o queijo Imperial, resolvemos fazer o teste com o chutney picante da Dilis, virando um tira-gosto que arranca aplausos!

Aqui na Doces de Minas enviamos o Queijo Imperial da Serra do Salitre e os Chutneys artesanais da Dilis para todo Brasil.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *